• Carregando...
Fidel Castro sufocou tentativa de invasão da Baía dos Porcos, em 1961 | Reuters
Fidel Castro sufocou tentativa de invasão da Baía dos Porcos, em 1961| Foto: Reuters

Documentos ultrassecretos da CIA divulgados ontem revelam novos detalhes sobre a tragédia de erros dos EUA na invasão da Baía dos Porcos (1961), em Cuba, in­­cluindo relatos de fogo amigo derrubando aviões americanos no calor da batalha. Os arquivos desclassificados podem ser consultados no site National Security Ar­­chives (NSA).

Também se tornaram públicos os relatos oficiais sobre a cooperação de países latinos contra Fidel Castro, a resistência da agência de inteligência norte-americana con­­tra o caráter secreto da operação e vários outros episódios inéditos ou pela primeira vez contados pela própria investigação que a CIA conduziu depois do fracasso da invasão.

Os arquivos foram obtidos pe­­lo NSA, de Washington, que processou a CIA pela liberação do material. "Esses são alguns dos últimos arquivos que continuavam secretos sobre a agressão dos EUA a Cuba", disse Peter Korn­­bluh, que dirige o projeto do NSA sobre os cubanos.

O processo na Justiça foi iniciado por volta do aniversário de 50 anos da invasão da Baía dos Por­­cos, em abril, e ainda não terminou. Um último volume da "His­­tória Oficial da Operação da Baía dos Porcos" continua em poder da agência.

No material, o historiador oficial da CIA, Jack Pfeiffer, joga a responsabilidade pelo fiasco para o presidente John Kennedy (1961-63), que proibiu terminantemente uma invasão aberta. Ao mesmo tempo, porém, ele documentou extensamente erros dos agentes da CIA.

Erros

Um deles foi fornecer para exilados recrutados para a operação aeronaves B-26 configuradas para se confundirem com a Força Aé­­rea cubana – o que fez com que os pilotos não conseguissem distinguir colegas dos inimigos.

"Acabamos atirando contra dois ou três [aviões americanos]", relata no material o oficial Grays­­ton Lynch. "Atingimos alguns porque, quando vieram para cima de nós, só víamos silhuetas."

A "História Oficial" documenta a contrariedade da agência. Planejadores declararam em reuniões internas que "o conceito original [da operação] é visto como inatingível diante do controle que [o ditador Fidel] Castro instituiu" na ilha.

"O segundo conceito (1.500-3.000 homens para conquistar uma praia) também é considerado inatingível, exceto como ação conjunta da agência e do Departa­­mento da Defesa", continuam. Kennedy não chegou a ser brifado nesses termos, e com apenas a CIA à frente de 1.200 homens, a invasão foi esmagada.

A agência tentou contornar as limitações. Apesar das advertências em contrário da Casa Branca, pilotos norte-americanos foram autorizados a voar para Cuba (na costa, sem se adentrar pela ilha) no meio da operação. Quatro de­­les morreram.

A CIA ainda derrubou a proibição do uso de bombas incendiárias quando viu que os cubanos estavam vencendo.

Mas reclama, por exemplo, de ter tido negado um pedido para detonar "bombas de som" em Havana para distrair Fidel durante a invasão.

O Departamento de Estado descartou a tática por ser "obviamente muito americana".

0COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]