• Carregando...
A organização que analisa dados eleitorais foi considerada “indesejada” por Putin após divulgar irregularidades nas últimas eleições russas
A organização que analisa dados eleitorais foi considerada “indesejada” por Putin após divulgar irregularidades nas últimas eleições russas| Foto: EFE/EPA/ALEXANDER KAZAKOV/SPUTNIK/KREMLIN

A Justiça da Rússia ordenou nesta sexta-feira (18) a detenção do dirigente da ONG Golos, principal observador eleitoral independente do país, na tentativa de impedi-lo de acompanhar as eleições presidenciais de 2024, nas quais o atual presidente, Vladimir Putin, provavelmente concorrerá à reeleição.

"Eles querem destruir o Golos. É evidente que não estão se preparando para as eleições municipais de setembro, mas para as eleições presidenciais" de março de 2024, disse Oleg Orlov, um conhecido ativista russo, a vários meios de comunicação, entre eles a Agência EFE.

O russo Grigori Melkoniants, copresidente do Golos - que significa "voz e voto" em russo -, ficará detido até 17 de outubro por ordem do Tribunal de Basmanni, depois de ter sido preso em Moscou. Seus advogados tentaram converter a prisão para domiciliar, no entanto, a Justiça negou o pedido.

Melkoniants, cuja ONG denunciou inúmeras irregularidades nas eleições realizadas na Rússia na última década, é acusado de coordenar o trabalho de uma organização "indesejável" em território russo, que foi uma das primeiras a serem incluídas na lista de "agentes estrangeiros" do Ministério da Justiça.

Fundado em 2013, o Golos é membro da Rede Europeia de Organizações de Monitoramento Eleitoral (ENEMO), que também não é bem vista por Moscou.

"Na Rússia não deve haver nenhuma observação das eleições presidenciais, que, claro, não são eleições autênticas. A acusação contra Melkoniants é política, são fabricadas e inventadas", denunciou Orlov.

O defensor dos direitos humanos, que também está sendo julgado por desacreditar o Exército russo e criticar publicamente a guerra na Ucrânia, acredita que o objetivo do Kremlin é que "não haja voz crítica dentro da Rússia".

“É difícil para o Golos continuar seu trabalho, mas ele continuará fazendo, como todos os ativistas fazem”, prometeu Orlov, antes de gritar: "Liberdade para os presos políticos!".

Além de abrir um processo criminal, as autoridades russas realizaram buscas na casa de Melkoniants e de vários coordenadores do movimento em oito regiões do país, incluindo Moscou e São Petersburgo.

Há um ano, o Golos denunciou centenas de violações nas eleições municipais, dominadas pelo partido do Kremlin, o Rússia Unida.

A Comissão Eleitoral Central (CEC) da Rússia anunciou que nas próximas eleições presidenciais dezenas de milhões de russos poderão votar eletronicamente, o que a oposição extraparlamentar qualificou como “um instrumento fraudulento”.

Embora Putin não tenha dito abertamente que pretende concorrer, a presidente da CEC, Ella Pamfilova, sugeriu no início de agosto que ele concorreria à reeleição.

Após a polêmica reforma da Constituição em 2020, Putin poderá permanecer no Kremlin por mais dois mandatos presidenciais de seis anos cada, até 2036. (Com Agência EFE)

0COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]