• Carregando...
A liberdade de escolher ajudar ou não ajudar é um pré-requisito para a caridade genuína
A liberdade de escolher ajudar ou não ajudar é um pré-requisito para a caridade genuína| Foto: Eli Vieira com Midjourney

Progressistas e socialistas têm conseguido ocupar o terreno moral por meio de sua eficaz propaganda. Esses ultracrepidários santimoniosos se fazem passar por campeões da caridade, devido ao seu apoio à redistribuição econômica e ao estado de bem-estar social. E condenam o capitalismo por fomentar a ganância.

Vamos esclarecer as coisas. O capitalismo é o único sistema econômico (se a liberdade de possuir e vender propriedades pode realmente ser chamada de sistema) onde a virtude da caridade floresce. Além disso, a caridade nem sequer pode existir no paradigma progressista-socialista. A verdadeira caridade só pode existir no contexto da propriedade privada.

Um aspecto essencial da caridade é o autossacrifício. A caridade pode se manifestar na forma de doações e voluntariado. Nesses casos, o doador abre mão de dinheiro, bens ou tempo, todos os quais poderiam ter sido usados em seu próprio benefício.

O oposto é o que é proposto pelos socialistas e progressistas. Em vez de autossacrifício, esses puritanos autossatisfeitos "sacrificam" os recursos de outras pessoas e afirmam ser caridosos por fazê-lo. Seria como se uma igreja pedisse comida para alimentar os sem-teto, e eu "me voluntariasse" a comida do meu vizinho saqueando suas despensas. Como Murray Rothbard explicou: "É fácil ser visivelmente compassivo quando outros são forçados a pagar o custo." Ao forçar os contribuintes a ajudar os necessitados, os socialistas e progressistas renunciam ao autossacrifício que a caridade requer.

Se um ladrão rouba Pedro para pagar Paulo, o ladrão não está sendo caridoso. E Pedro também não está, porque ele não teve escolha no assunto. A liberdade de escolher ajudar ou não ajudar é um pré-requisito para a caridade genuína. "A virtude e a moralidade exigem a liberdade de fazer o bem e o mal", escreveu Rothbard. "Se não houver escolha além de fazer o bem, então não há moralidade ou virtude." (Curiosamente, se a doação compulsória é caridosa, os progressistas e socialistas não teriam que admitir que os ricos — que pagam mais impostos — são as pessoas mais caridosas de todas?) Além disso, a natureza coercitiva da "caridade" socialista e progressista destrói a motivação para ajudar os outros. Como Frank Chodorov escreveu:

"… nós, que não temos o direito de possuir, certamente não temos o direito de dar, e a caridade se torna uma palavra vazia; em uma ordem socialista, ninguém precisa pensar em um vizinho desafortunado, porque é dever do governo, o único proprietário, cuidar dele…"

Caridade sob o Capitalismo, Progressismo e Socialismo

Devido a isso, os gastos do governo tendem a substituir os gastos e investimentos privados. Os economistas chamam esse fenômeno de expulsão. O surgimento do estado de bem-estar social, por exemplo, expulsou a caridade privada. Um relatório do Citigroup afirma: "Em países com maior gasto público, há uma sensação de que qualquer dívida com a sociedade foi paga por meio do imposto individual ou corporativo de um indivíduo. Onde há menos gasto público, há um maior senso de que algo é devido.

Alguns podem argumentar que os países com estados de bem-estar mais generosos são suficientemente capazes de realizar a tarefa do bem-estar social.

Este argumento trata os gastos privados e públicos como equivalentes, quando na verdade não são diretamente comparáveis. Em um estudo de 2007, James Rolph Edwards aponta que "estima-se que as agências públicas de redistribuição de renda absorvam cerca de dois terços de cada dólar orçado para elas em custos administrativos, e, em alguns casos, até três quartos de cada dólar (…) Em contraste, os custos administrativos e operacionais em instituições de caridade privadas absorvem, em média, apenas um terço ou menos de cada dólar doado, deixando os outros dois terços (ou mais) a serem entregues aos beneficiários." (Ênfase adicionada)

No entanto, o quadro é ainda pior. Usando uma estimativa do custo imposto pelos impostos, Edwards descobre que quase US$ 5,00 devem ser taxados para cada US$ 1,00 de benefícios. Aqueles que são submetidos a esse imposto ridiculamente ineficiente são desestimulados a trabalhar, economizar e investir, e os beneficiários da ajuda também são desencorajados a ser produtivos.

Como Edwards destaca de forma comovente:

"Em um experimento cuidadoso, James Andrioni (1993) estimou que 71 centavos de contribuição de caridade privada são expulsos para cada dólar tributado e orçado para a ajuda do governo… Devido a esse deslocamento, bem como à renda recebida reduzida devido à redução do tempo de trabalho pelos beneficiários da ajuda, ao custo dos recursos da burocracia administrativa e a outros custos das transferências de renda compulsórias discutidos acima, os programas do governo federal podem realmente ter aumentado a quantidade de pobreza e gerado uma classe dependente de beneficiários da ajuda." (Ênfase adicionada)

Embora esses argumentos abordem a posição progressista do estado de bem-estar, o que dizer da posição socialista? A China é o exemplo óbvio dos países socialistas.

Para demonstrar vividamente o quão destrutiva foi a socialização na China para a virtude individual, considere como, em 2011, uma criança foi atingida por uma van, que parou por um momento antes de passar por cima dela lentamente. Ninguém ao redor a ajudou enquanto ela se contorcia de dor. Como resultado, ela foi atropelada novamente, desta vez por um caminhão. Por mais 7 minutos, ninguém ajudou a criança de 2 anos.

Devido a essa falta de moralidade pública, o Partido Comunista Chinês assumiu o papel de pai. O PCC exibe painéis com mensagens como "uma sociedade civilizada começa com você e comigo". Ele exibe anúncios de TV dizendo aos pais que é responsabilidade deles ensinar aos filhos um comportamento civilizado. Leland M. Lazarus explicaque "Xi Jinping está tentando usar o Estado de direito como base para princípios morais na China. Um anúncio frequente de TV mostra uma menininha estudando, um jovem nadando e um casal de idosos de mãos dadas. O narrador diz em uma voz masculina suave: Eu estarei sempre ao seu lado. A menina olha para o céu. Você sempre pode confiar em mim… no final, a tela fica preta e aparecem dois caracteres: fa lu 法律. A lei."

Este não é de forma alguma o modelo de uma sociedade caridosa. Como enfatizado acima, a verdadeira caridade exige liberdade de escolha. O método do planejador central, tanto na visão socialista quanto na progressista, remove a interação individual que é fundamental para a formação e construção dos costumes das pessoas.

Caridade e Liberdade

A caridade sob o capitalismo é genuína, porque o doador está sacrificando voluntariamente sua própria riqueza. A chamada caridade santificada e procurada pelos socialistas e progressistas é o oposto. Sob uma fachada de caridade, eles pleiteiam a tirania e o controle — como se fosse a solução mais óbvia, e qualquer um que se oponha a eles seja irredimivelmente malvado — justificando seu poder com a desculpa de que estão ajudando os outros.

Receber um cheque no correio de um burocrata distante que você não conhece, com dinheiro tirado de todos e entregue de forma indiferente, está longe de ser o mesmo que interagir com as pessoas que o estão ajudando. Isso ajuda a explicar por que Meina Cai et al. (2022) descobrem que "a ligação entre individualismo, capitalismo e bem-estar coletivo é mais complicada do que os críticos do capitalismo acreditam. Descobrimos que, em vez de contribuir para comportamentos antissociais, o individualismo contribui para comportamentos prósociais e, possivelmente, para a melhoria moral." Considere, por exemplo, meu amigo Timmy, que recentemente terminou de correr pelo país para arrecadar dinheiro para uma causa na qual acredita. Timmy foi capaz de conectar sua paixão e seu desejo de fazer o bem de uma maneira que só é possível em uma sociedade onde o indivíduo se sente responsável por tornar o mundo um lugar melhor.

Como mencionado anteriormente, para ser caridoso, você deve estar voluntariamente sacrificando algo seu, o que pressupõe propriedade privada. Portanto, a caridade se manifesta mais em um regime de plena propriedade privada: ou seja, o capitalismo. Isso também implica que quanto mais alguém acumula, mais pode se sacrificar pela caridade. É um fato bem conhecido que os países capitalistas são mais ricos do que os não capitalistas e, portanto, capazes de ser muito mais filantrópicos. Logicamente, expandir o capitalismo resultará em mais filantropia.

Conclusão

Contrariamente aos socialistas e progressistas, o capitalismo e os capitalistas não são inerentemente gananciosos. Como Edwards observa:

"A inveja é um poderoso motivador humano que existe enquanto houver diferenças de renda de qualquer tipo entre a população e existiria mesmo se a renda média fosse tão alta que praticamente ninguém caísse abaixo de um nível absoluto de renda de pobreza definida (Schoeck 1966)."

ComoDan e eu escrevemos antes, o socialismo é o evangelho da inveja. O primo próximo do socialismo, o progressismo, é afligido pelo mesmo vício. No capitalismo, não há um vício inerente. Os pecados que se manifestam no capitalismo não podem ser atribuídos ao "sistema", pois não são exclusivos do capitalismo, mas são o produto da natureza falha da humanidade.

O indivíduo não pode ser forçado a se tornar um santo caridoso. Ele só pode se aprimorar e se tornar mais caridoso na liberdade inerente ao capitalismo.

Axel Weber é bolsista do Projeto Educacional Henry Hazlitt da FEE e membro da equipe de Política da Hoover Institution. Ele possui um diploma de Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade de Connecticut.

© FEE - Foundation for Economic Education. Publicado com permissão. Original em inglês: Why True Charity Can Only Blossom under Capitalism
0COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]