• Carregando...
Um estudo descobriu que mais de três quartos das mulheres que tomaram medicamentos abortivos se arrependeram
Um estudo descobriu que mais de três quartos das mulheres que tomaram medicamentos abortivos se arrependeram| Foto: Eli Vieira com Midjourney

Em meio aos debates sobre o que os estudos provam ou não provam sobre os efeitos do aborto, muitas vezes negligenciamos a verdade — as histórias não contadas das mulheres. Sabemos que cada aborto causa a morte de uma criança. Mas uma população permanece desconsiderada em ambos os lados da questão — a miríade de mulheres que sofrem como vítimas silenciosas após passarem por um aborto. Todos nós deveríamos estar dispostos a ouvir suas vozes.

O site Memorial do Aborto, por exemplo, apresenta centenas de mulheres que relembram as histórias de seus filhos abortados. Essas mães testemunham o próprio luto e arrependimento, em parte como homenagem ao seu filho e como aviso a outras mães.

“Laura”, mãe de uma menina abortada chamada “Hannah”, escreveque fez o aborto há onze anos. Na época, ela achou que era a coisa certa a fazer — e ela sofre todos os dias por causa da perda de sua filha.

"Oh, as mentiras que contamos a nós mesmos!", escreve Laura. "A verdade é que sua partida tornou minha vida tão sem graça, tão cheia de dor, e nada ficou mais fácil. Pesadelos me assombraram", então "eu amenizei a dor da melhor maneira que sabia… Eu te amo muito, muito. Eu nunca ficarei em silêncio, ninguém deveria passar por essa dor. Vou falar de você e ninguém me impedirá."

Outra mãe desolada escreveanonimamente para seu bebê abortado "Nic" em um post intitulado "Sinto muito. Se ao menos eu soubesse."

Ela diz que imagina abraçá-lo e deseja que ele pudesse brincar com seu cabelo como sua irmã viva faz. "Por favor, me perdoe, eu tirei sua vida por motivos egoístas", escreve no final de seu post. "Se eu pudesse voltar no tempo, escolheria você em vez de mim, repetidas vezes, sem dúvida."

Outra mãe pedeperdão a seu bebê abortado em setembro de 2004.

"Chorei muitas lágrimas ao longo dos anos e ainda me pergunto se você seria menino ou menina", escreve ela. "Seus olhos teriam sido azuis ou castanhos? Você teria meu amor pela música ou seria um talentoso artista? Todas essas coisas, nunca saberei. Sinto muito profundamente que tirei essas possibilidades. Eu amo você, por favor me perdoe."

Esses testemunhos das mães são relatos poderosos e angustiantes do que sabemos ser verdade: o aborto inflige graves danos físicos e psicológicos às mulheres.

O dano é obscurecido para elas como uma realidade emocional até que seja tarde demais. Elas passam suas vidas assombradas pelas implicações de saúde mental de uma decisão irreversível, porque seus médicos de aborto lhes disseram mentiras: mentiras como "O aborto não prejudicará você", "É tão fácil e seguro quanto tomar um Advil" ou "Você pode sair daqui e esquecer."

Umestudodescobriu que mais de três quartos das mulheres que tomaram medicamentos abortivos se arrependeram.

O processo de um aborto em si é inerentemente traumático e envolve uma série de riscos físicos. É doloroso. Há muito sangramento. Nem sempre termina a gravidez. Quando o faz, as mulheres expulsam o que é reconhecidamente uma criança pequena. Poucas mulheres são avisadas de que verão o corpo morto de seu filho totalmente formado em vez do "tecido da gravidez" que lhes foi dito. Sabemos disso porque, quando as mulheres ficam chocadas com a dor ou o trauma que experimentam, ligam para nossas clínicas, em pânico, procurando ajuda.

Como poderia alguém emergir ileso de um processo tão brutal e violento?

Ouvimos muita conversa sobre como as mulheres de alguma forma precisam do aborto para sua saúde, ignorando os estudos e histórias que mostram que muitas mulheres se arrependem de seus abortos e sofrem com o dano psicológicoeemocionalque a experiência causou. Ao ignorar suas vozes, marginalizamos e silenciamos a dor muito real que essas mulheres suportam.

Suas histórias são difíceis. Elas sofrem em silêncio. E os resultados são devastadores. Adeus ao empoderamento das mulheres.

Devemos isso às mulheres e a seus filhos perdidos, dar voz às suas histórias não contadas. Devemos tornar os riscos de saúde mental do aborto conhecidos — antes que seja tarde demais para outra mãe e criança.

Chelsey Youman é a diretora nacional de políticas públicas da Human Coalition, uma organização pró-vida que opera uma rede de clínicas de atendimento a mulheres via teleatendimento e instalações físicas em todo os Estados Unidos.

©2023 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês: Listen to the Women Who Regret Their Abortions
0COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]