• Carregando...
A atriz Ana de Armas no papel de Marilyn Monroe. no filme 'Blonde' (2022)
A atriz Ana de Armas no papel de Marilyn Monroe. no filme ‘Blonde’ (2022)| Foto: 2022 © Netflix

Usar "agrupamento de células" para descrever os nascituros tornou-se insustentável pelos avanços na tecnologia de ultrassom. A estratégia preferida agora é mudar de assunto, especulando uma série de catástrofes e infortúnios associados ao nascimento de uma criança: “Se eu não fizer esse aborto, não vou conseguir terminar a faculdade, fazer faculdade de direito, casar com o homem dos meus sonhos” etc. Ou pode ser retrospectivo, como quando Michelle Williams, ao aceitar seu Globo de Ouro, disse que não teria sido capaz de ganhar o prêmio “sem empregar o direito de escolha de uma mulher”. Quaisquer que sejam as circunstâncias específicas, a justificativa é sempre a mesma: meu aborto é (ou foi) necessário, e eu sei disso de fato.

'Blonde', um filme biográfico sobre Marilyn Monroe escrito e dirigido por Andrew Dominik e lançado mês passado na Netflix, desafiou essa narrativa. Ao se envolver seriamente com a humanidade do nascituro e a incerteza envolvida na escolha do aborto, talvez tenha se mostrado impopular entre os defensores do aborto. Feministas entraram em alvoroço após o lançamento. A [organização abortista] Planned Parenthood a condenou como tendo “contribuído para o estigma do aborto”.

O filme, baseado no romance de Joyce Carol Oates, é ficcional, mas permanece fiel ao arco geral da vida de Monroe. Norma Jeane Mortenson (mais tarde Marilyn Monroe) cresceu sem um pai em casa. Sua mãe era mentalmente instável e Monroe passou um tempo em um orfanato. Monroe buscou sua fortuna em Hollywood, onde vendeu fotos nuas e dormiu com produtores para avançar em sua carreira. Quanto aos abortos, em sua biografia, 'The Genius and the Goddess: Arthur Miller e Marilyn Monroe' [O gênio e a deusa: Arthur Miller e Marilyn Monroe], Jeffrey Meyers escreveu que Monroe teve até doze abortos clandestinos, que “podem ter causado infecções e aderências que impediram a gravidez ou levaram a abortos. ” Isso é especialmente triste, já que Monroe supostamente queria filhos.

Em Blonde, Monroe (interpretada por Ana de Armas) experimenta dois abortos, bem como um aborto espontâneo. O primeiro, resultado de seu ménage à trois com Charlie Chaplin Jr. e Eddy G. Robinson Jr., Monroe é forçada a completar depois de mudar de ideia. A segunda, após um caso com o presidente John F. Kennedy, é realizada nela quando ela está inconsciente e incapaz de consentir.

A cada gravidez, o filme usa CGI em um alto nível de detalhes para mostrar o nascituro. Não apenas os nascituros recebem tempo de tela – eles também recebem uma voz. Durante seu casamento com Arthur Miller (Adrien Brody), Monroe, antes de seu aborto espontâneo, aperta seu abdômen enquanto a criança diz: “Não me machuque como você fez da última vez”. Quando ela responde que não queria, a voz da criança diz: “Sim, você fez, você escolheu isso”.

De acordo com o dogma pró-escolha, os abortos de Monroe devem ser entendidos no contexto de uma mulher confiante que sabia o que precisava. O que vemos, em vez disso, é uma mulher muito bem-sucedida, mas arrasada, com feridas profundas de sua infância.

Apesar de seus profundos desejos de conhecê-lo, a Monroe de 'Blonde' é abandonada por seu pai. Ela chama cada um de seus amantes de “papai”. Sua mãe diz a Monroe que é culpa dela que seu pai os abandonou e tenta afogá-la na banheira. Após o atentado contra a vida de sua filha, a mãe de Monroe é enviada para uma instituição mental e Monroe para um orfanato. Quando adulta, Monroe tenta ter um relacionamento com sua mãe, mas é ignorada. Sua carreira de atriz começa quando ela passa por sexo doloroso e degradante em troca de um papel. Esse tipo de atenção a segue ao longo de sua carreira, à medida que ela atinge as alturas da fama e fortuna. Em uma cena, enquanto homens maliciosos se aglomeram ao redor dela, suas bocas são enormes e distorcidas. É como se ela estivesse sendo consumida por eles. Após vários casamentos fracassados ​​e colapsos nervosos, Monroe morre em desespero induzido por drogas, aos 36 anos.

Quão diferente a vida de Monroe poderia ter sido se, no início de sua carreira, ela tivesse engravidado e se retirado do cruel mundo de Hollywood. A Monroe de De Armas tem um potencial materno inexplorado. Mas esse potencial é frustrado pelo medo. Medo de sua infância — o medo de ser o tipo de mãe que sua própria mãe era. Além disso, há também o medo de que, sem “Marilyn Monroe”, sua identidade escapista, ela estaria perdida. No final, Marilyn Monroe mata Norma Jeane. Na estreia de 'Os Homens Preferem as Loiras', ela murmura: “Eu matei meu bebê por isso?”

O que Monroe parece perceber é que ter um filho pode ter sido um bálsamo contra o abuso e a rejeição que ela sofreu em sua própria infância. Não só ela poderia ter salvado seu bebê, seu bebê poderia tê-la salvado. 'Blonde' nunca resolve essa questão de forma decisiva, mas deixa em aberto para o público. Aparentemente, porém, isso é suficiente para provocar a condenação da Planned Parenthood: “Ainda temos muito trabalho a fazer para garantir que todos que fazem um aborto possam se ver na tela. É uma pena que os criadores de 'Blonde' tenham escolhido contribuir para a propaganda antiaborto e estigmatizar as decisões de saúde das pessoas.”

O que a Planned Parenthood está realmente exigindo é que as mulheres que fizeram abortos vejam apenas representações de mulheres que fizeram abortos sem dúvida, conflito ou arrependimento. E que elas sejam poupadas de representações da humanidade da criança e de qualquer esperança associada ao seu futuro. O que é irritante para os defensores do aborto sobre 'Blonde' é que a narrativa do filme não implica que as mulheres precisam de abortos, apenas que algumas mulheres precisam acreditar que precisavam deles.

©2022 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.
0COMENTÁRIO(S)
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]